19
07
18

Parada Queer de Seul: resistência, K-Pop e a ladainha conservadora

————————————————————-

A temática LGBTQ+ tem sido tema de recorrente discussão social e, também, pauta aqui na K4US. Sabemos que até então a representatividade não tem sido um forte no meio K-Pop, por isso qualquer fato que indique uma mudança nesse parâmetro é digno de ser ressaltado.

No último fim de semana ocorreu a 2018 Seoul Queer Parade (Parada Queer de Seul 2018) e as redes sociais foram tomadas por registros do dia em que a comunidade LGBTQ+ sul-coreana pôde se celebrar sem receios.

Uma das coisas que mais pareceu chamar atenção nas redes foi a escolha musical do evento e, obviamente, o K-Pop não ficou de fora. Através de uma votação, o público elegeu quais músicas fariam parte da playlist que tocou durante a parada.

Além dos nomes populares, a parada queer contou também com atrações musicais independentes como Vanishing Point, QcanD (Queer can dance) e Ginger Pop. Vale dar uma pesquisada para apoiar nomes que nos apoiam.

Infelizmente o K-Pop, as a animação da comunidade e toda alegria envolvida também tiveram de dividir espaço com conservadores religiosos que protestaram contra o direito de uma comunidade à qual eles nem mesmo pertencem. Todo o barulho que fizeram e toda confusão que causaram, porém, não foram suficientes para acabar com o orgulho da comunidade LGBTQ+ sul-coreana.

O site de jornalismo independente Korea Exposé registrou a dualidade da parada.

Apesar da importância da presença de fandoms na parada queer, expondo a diversidade entre os fãs de determinados grupos, vale lembrar também que a Coreia do Sul não é apenas K-Pop e K-Idols. O evento pode sim expressar a diversão que essas músicas e esses intérpretes carregam, mas também é um local de luta e resistência desta comunidade que vive à margem de uma sociedade ainda muito fechada à sua existência.

Créditos:
img 1, img 2, img 3, img 4, img 5, img 6, img 7,
img 8, img 9, img 10, img 11, img 12, 13 e 14
compartilhe este post:
Bea
Postado por
Bea
Carioca, 25 anos, estudante de jornalismo e carmy. Se pudesse passaria meus dias comendo batata frita, sorvete e lendo fluff, como não posso: trabalho, passo mais tempo do que devia no twitter e como batata e leio fluff nas horas vagas. Parte da equipe da LO짱 (Lojjang) e presa numa areia movediça chamada K-Pop há 9 anos (sem previsão de conseguir sair).
Arquivado em: Opinião