24
11
18

Na última quinta-feira, 22 de novembro, foi realizada a cerimônia de premiação do Concurso Cultural Coreano no Rio de Janeiro, promovido pela Embaixada da República Coreana em parceria com a AsiaColors.

Mas, espera aí… que concurso foi esse?

O objetivo do concurso foi, claro, promover a cultura coreana no Brasil. O edital ficou disponível no site da embaixada desde o dia 23 de outubro, e os vencedores dos três primeiros lugares nas três categorias disponíveis receberam um prêmio em dinheiro. Todos os concorrentes também ganharam um certificado de participação e material sobre a Coreia do Sul e possibilidades de intercâmbio.

Na premiação foram mostrados alguns dos trabalhos feitos para o concurso, especificamente aqueles da categoria de “vídeo” (já que as outras duas categorias, ensaio e opinião, eram textuais). O que chama atenção no concurso é que, diferente do que se espera, nenhum dos trabalhos apresentados foram sobre k-pop, doramas ou onda hallyu. No edital do concurso, os temas requeridos abrangiam desde questões políticas sobre as duas Coreias e a aproximação com o Brasil, até gastronomia e vestimentas tradicionais coreanas, o Hanbok. O K-pop ficou de fora dessa vez — e foi ótimo.

A cultura sul-coreana é extremamente rica e cheia de história. O concurso demonstrou o interesse da embaixada em campos menos abordados pelos apaixonados pela Coreia. Os universitários foram desafiados a criar algo não apenas focado no já bem conhecido cenário de entretenimento da Coreia do Sul, que ganhou o Brasil e o mundo, mas em aspectos políticos e históricos do país. Entre os participantes haviam universitários do estado do RJ cursando graduações nas áreas de jornalismo, relações internacionais, turismo, letras e cinema, entre outros.

“Recebemos peças originais e analíticas. Este trabalho é muito útil para nós vermos como os brasileiros veem a Coreia”, afirmou o Ministro da Embaixada Coreana em Brasília, em seu discurso durante a cerimônia de premiação. Ele também lembrou que 2019 marca os 60 anos das relações diplomáticas entre Coreia do Sul e Brasil, e prometeu que podemos esperar muitos eventos culturais, políticos e econômicos no ano que vem.

Os presentes no evento ficaram sabendo de uma novidade sobre o que pode estar prestes a vir por aí: as working holidays. Um acordo entre Brasil e Coreia do Sul que possibilitará aos brasileiros irem ao país e para trabalhar durante os meses de férias. O acordo tem como objetivo aumentar o número de intercambistas.

A Giullie Fernandes cursa turismo na UFF e foi uma das vencedoras do concurso! Ela ficou em segundo lugar na categoria vídeo criativo, e decidiu contar sobre a experiência dela com a gastronomia coreana ao trabalhar na Coreia do Sul durante as olimpíadas de inverno em fevereiro de 2018.

Sobre sua participação no concurso, Giullie ressaltou a importância de eventos como esse para o Rio de Janeiro e o público que se interessa por cultura coreana. “Foi uma oportunidade única e me senti honrada por poder participar. É muito bacana pra gente, estudante de uma universidade pública, ter esse tipo de visibilidade e de responsabilidade. Acho que é uma forma que a gente tem de retribuir o que nos é ensinado em sala e pela vida”.

Confira o vídeo da Giu:

Depois da premiação, foi oferecido um jantar a todos os presentes. Foi um momento mais descontraído, ideal para conhecer novas pessoas engajadas com a Coreia do Sul e dividir diferentes experiências sobre o evento e a cultura coreana em geral. Além disso, a comida estava deliciosa!

Se você é universitário e se interessou, fique atento ao site da Embaixada da República da Coreia e ao site da AsiaColors para não perder a oportunidade de participar do próximo concurso cultural! Lá você também vai ficar sabendo de todos os eventos envolvendo cultura coreana promovidos por essa parceria maravilhosa!

Beijocas e até a próxima! <3

 

compartilhe este post:
Lýssa
Postado por
Lýssa
Viciada em mitologia grega, fic-writer, Taehyung ultimated, Slytherin, publicitária, e futura jornalista. Adora nuvens fofinhas, unicórnios, livros de assassinato, cantar no chuveiro e falar sem parar – mesmo que às vezes solte alguns impropérios.
Arquivado em: Eventos, Exclusivo